Evento aborda as dores e as delícias da mulher moderna

rede-bravence-midia-guia-expoagas-feira-supermercado-comida-fornecedores-expositores-lojista-visitantes-fiergs-porto-alegre-noticia-4

“Mulher nasce equilibrista”. Com esta afirmação Cecília Troiano, psicóloga, empresária, escritora, blogueira, colunista e mãe deu início a palestra intitulada Vida de Equilibrista: Dores e Delícias da Mulher que Trabalhapara cerca de 700 mulheres na Agas Mulher, evento que fez parte da programação da 35ª Convenção Gaúcha de Supermercados – Expoagas 2016.

Há algumas décadas, segundo Cecília, as mulheres viviam no mundo do OU: ou era mãe ou trabalhava fora, por exemplo. Os papéis eram bem definidos, tanto do homem quanto da mulher. Nos últimos 40 anos muita coisa mudou. As mulheres conquistaram liberdade, posicionaram-se na sociedade como pessoas que decidem sobre suas vidas e podem assumir vários papéis. “Passamos do OU para o E: uma vida de equilibristas”, afirmou Cecília.

Se hoje as mulheres se enxergam como boas mães, batalhadoras, boas profissionais, amigas, afetivas e carinhosas também gostariam de ser mais ricas, bem-sucedidas, amantes, bonitas, descomplicadas e equilibradas. E sem perder as outras qualidades. Para agregar tudo isso, vive como uma equilibrista e é neste ponto que aparecem as dores. Cecília apresentou dados de uma pesquisa que apontam que 70% das mulheres se sentem sobrecarregadas e 65% se sentem cansadas. Para outra pesquisa, da PUCSP, 91% das mulheres se declararam estressadas com a pressão das multitarefas.

Para mulheres em cargo de liderança, informou a palestrante, sucesso significa ter uma família para 18%. Para outros 18% é, ter uma carreira e para 16% é a capacidade de equilibrar carreira e vida pessoal. E mais: pesquisa da Qualibest sobre a nova mãe brasileira (2016) diz que 2/3 das mães consideram a rotina difícil, exaustiva ou impossível e 40% disseram querer ajuda nas atividades domésticas.

“Buscamos o equilíbrio. Precisamos conhecer as nossas prioridades. Filhos apoiam as mães que desejam e trabalham fora ou não. Conclusão: importante é estar feliz com nossas escolhas. A nova geração quer trabalho e maternidade, quer liberdade de escolhas e para mudar se assim desejar. Nós, mulheres, educamos meninos e meninas. Vamos ensiná-los a dividir tarefas. Vamos pedir ajuda. Não precisamos ser perfeitas. Precisamos ter equilíbrio em tudo”, concluiu Cecília.

A palestrante é psicóloga, sócia da TroianoBranding, autora de dois livros: “Vida de Equilibrista” – Dores e delícias da mãe que trabalha” e “Aprendiz de Equilibrista – Como ensinar os filhos a conciliar família e trabalho”, lançados em 2007 e 2011 respectivamente. Além de autora de seu blog (www.vidadeequilibrista.com.br), é colunista da Revista Pais & Filhos, Revista RA e do portal Vila Mulher.

Você pode gostar...