Grêmio derrota o Pachuca na prorrogação e volta à final do Mundial

Pela terceira vez em sua história, o Grêmio está na final do Mundial de Clubes. Campeão em 1983 e vice em 1995, o time de Renato Gaúcho venceu nesta terça-feira, em Abu Dhabi, o Pachuca, do México, por 1 a 0, gol de Everton, na prorrogação. Sábado, a equipe brasileira decide o título contra o Real Madrid ou o Al Jazira, que se enfrentam nesta quarta-feira, às 14h (de Brasília).

– Tive a oportunidade novamente de entrar e a felicidade de fazer o gol. Hoje quem entrou deu conta do recado. Todos os jogadores sonham com momentos como este, que é único – festejou Everton. – Tudo é difícil, todo detalhe é importantíssimo, o Pachuca não chegou aqui à toa – elogiou Renato Gaúcho.  Mais uma vez, como acontecera na final da Libertadores, quando lançou Cícero no segundo tempo, e o volante marcou o gol da vitória no primeiro jogo contra o Lanús, a estrela de Renato Gaúcho voltou a brilhar nesta terça. Afinal, Everton entrara no segundo tempo, no lugar de Michel.

O lesionado Arthur fez muita falta ao Grêmio. A rigor, no primeiro tempo, o time de Renato Gaúcho só assustou em cobranças de faltas de Edílson e Fernandinho. Ainda assim, sem muito perigo. E o Pachuca só não saiu à frente no placar porque Cortez fez duas intervenções providenciais na área gremista, evitando chutes de Honda.

Aos 9, Marcelo Grohe fez ótima defesa em chute de Urretaviscaya, após erro de passe de Jailson. Cinco minutos depois, Luan chutou no canto esquerdo, e Óscar Pérez voou para defender. Edilson voltou a assustar aos 29, ao cobrar falta na rede pelo lado de fora. A quatro minutos do fim do tempo normal, Jael desviou de cabeça após escanteio da esquerda, mas Luan, na pequena área, não conseguiu finalizar.

O Grêmio iniciou a prorrogação com Léo Moura no lugar de Edilson. E Everton fez o gol da vitória aos quatro minutos da prorrogação, após bela jogada individual na área. O lance começou com rápido lateral cobrado por Cortez. Um golaço, no ângulo esquerdo de Pérez. Por muito pouco Luan não ampliou aos 13, ainda do primeiro tempo da prorrogação. Léo Moura foi à linha de fundo, e o atacante se esticou, mas não alcançou. A chance desperdiçada não fez falta, e o time de Renato Gaúcho soube administrar a vantagem e comemorar a vaga à decisão.

Você pode gostar...