Teste: Gear Sport é opção premium para monitorar atividade física

Há uns quatro ou cinco anos, os relógios inteligentes foram apontados por muitos como a “nova onda” e praticamente todas as empresas de tecnologia lançaram o seu. Até mesmo o Google deu uma força para a novidade, com o lançamento do sistema Android Wear em 2014. A “nova revolução”, porém, nunca ocorreu (basta observar quantas pessoas usam relógio ao seu redor). O mercado de wearables (categoria em que estão relógios e pulseiras inteligentes) cresce lentamente, como aponta o IDC (em inglês), mas ainda é pequeno se comparado ao de smartphones. Ou seja, nem todo mundo precisa de um relógio desses pra viver. Em um mercado, no entanto, os wearables acharam seu nicho. E esse mercado é o de pessoas que praticam atividade física com regularidade. Esse é o público que a Samsung quer atingir com o Gear Sport (R$ 1.699). Confira os detalhes do relógio no teste.

Design

Voltado para atividade física, o Sport tem visual esportivo, com pulseira de borracha e corpo de aço inoxidável. O modelo testado veio com pulseira azul, mas é possível comprar pulseiras de outras cores e trocar facilmente. Gostei do tamanho do relógio no meu pulso, não é muito diferente muito diferente do que muitos relógios masculinos convencionais. O tamanho, no entanto, pode ser um incômodo para quem tem pulsos mais finos ou prefere relógios pequenos. A pulseira de borracha é bem confortável e, como o padrão é de 20 mm, você pode trocar facilmente por outra pulseira, da Samsung ou de outras empresas. O Gear Sport traz dois botões laterais. Um serve como Home, levando o usuário à tela principal do relógio. O outro é um Voltar, sempre retornando à opção anterior. Obviamente ele tem também uma tela sensível ao toque, e é possível usá-la para navegar entre os recursos do aparelho.

Para quem não conhece bem as funções de relógios inteligentes, vale a pena resumir o que o Gear Sport pode fazer. Na área de monitoramento de atividades físicas, o aparelho conta passos, monitora batimento cardíaco, conta calorias gastas e até conta braçadas de natação. O Gear Sport ainda exibe e-mails, mensagens SMS, alertas e tem memória de 1,5 GB para guardar músicas. Desta forma, quem tem um fone de ouvido Bluetooth pode ouvir música durante o treino sem precisar de um celular por perto. Como em outros relógios inteligentes, é possível escolher entre diversas opções de exibição de horas.

A tela do relógio é ótima, com bom nível de brilho mesmo sob sol intenso. A navegação entre os recursos do Gear Sport é bem rápida e não notei engasgos no período de testes. Em modo padrão, a fim de economizar bateria, a tela exibe as horas apenas com o movimento do braço, e nem sempre responde bem. Perdi as contas das vezes em que me senti meio bobo ao virar o pulso pra ver as horas e olhar uma tela apagada.

Mas felizmente há como ativar o modo “always-on”, que exibe as horas de modo permanente com o relógio no pulso. Não percebi diferença significativa no consumo de bateria com o modo permanente de exibição das horas. Aliás, um ponto positivo aqui. A bateria durou entre três e quatro dias (com uso durante o dia e fora do pulso à noite). Para quem já tem que carregar a bateria do celular todo dia, é um alívio saber que pelo menos o relógio pode ficar fora da tomada por mais tempo.

O sistema usado no Gear Sport é o Tizen, da própria Samsung. Na prática, isso quer dizer menos apps do que produtos com Android Wear e o Apple Watch. Este pode ser considerado o único ponto negativo mais relevante do Gear Sport. Ninguém espera que um relógio tenha milhares de apps e games, mas podem fazer falta aplicativos de de fitness, como os populares RunKeeper e Nike+. Se você já é fã de algum desses apps pode se decepcionar ao ter que mudar para o Samsung Health.

Integração com smartphone

Testei o Gear Sport com um smartphone Galaxy S8 e a sincronização de dados funcionou muito bem. É possível usar o relógio com outros celulares Android e até iPhones, mas para isso é necessário baixar apps extras e criar uma conta Samsung para alguns recursos mais avançados. De modo geral, não vale muito a pena, principalmente no caso do iPhone, que já conta com o excelente Apple Watch. As informações capturadas pelo relógio são exibidas no app Samsung Health.

Conclusão

Com preço na casa dos R$ 1.700, o Gear Sport é definitivamente um produto premium para o mercado de fitness. E não há concorrentes diretos de peso nessa faixa de preço (o Apple Watch é compatível apenas com iPhone e portanto não é uma opção para quem tem um Android). O valor é alto para uma categoria de produtos que para a maioria das pessoas é apenas opcional, não essencial. Mas dá para afirmar que o produto entrega o que promete. O acabamento é de alta qualidade, as funções são acessadas rapidamente e em uma tela de excelente qualidade. O único contra realmente relevante é a falta de suporte para alguns apps populares entre quem pratica atividade física, como Runkeeper e os apps da Nike. Mas se você não usa algum desses e se vira bem com o Samsung Health, o Gear Sport é certamente uma excelente opção.

Vale notar que quem apenas quer um wearable para controlar a atividade física e não liga muito para recursos mais avançados (você realmente precisa ver e-mails e mensagens no relógio enquanto treina? Eu não) pode optar por uma alternativa mais barata, como uma pulseira inteligente. A própria Samsung tem a Gear Fit2 Pro (R$ 999), e outras opções muito populares são as pulseiras da FitBit e relógios básicos da Garmin, que também podem ser encontrados no Brasil por preços em torno de R$ 1.000.

Ficha técnica – Samsung Gear Sport

Configuração: sistema Tizen, tela Super AMOLED de 1,2 polegadas e resolução de 360 x 360, processador dual core de 1 GHz, 0,7 GB de memória RAM, 1,5 GB de armazenamento livre (4 GB no total), GPS, NFC, Bluetooth 4.2, Wi-Fi b/g/n, peso de 50g.
Preço: R$ 1.699

Você pode gostar...