Walmart vende fatia majoritária no Brasil para empresa de private equity

 

Varejista espera perda líquida de US$ 4,5 bilhões com transação

O Walmart informou nesta segunda-feira que a empresa de private equity Advent Internacional vai adquirir o controle das operações do Walmart no Brasil, no terceiro grande negócio do varejista desde abril para remodelar suas operações no exterior.

A Advent terá uma participação de 80% no Walmart Brasil e a varejista manterá os 20% restantes, disse o Walmart sem divulgar o valor da transação. Como resultado da transação, o Walmart espera registrar uma perda líquida não caixa de cerca de US$ 4,5 bilhões como um item especial no segundo trimestre.

A varejista tem reformulado seus negócios internacionais voltando o foco para investimentos em mercados em crescimento, como China e Índia. Recentemente, a empresa vendeu uma fatia majoritária no negócio britânico ASDA para a J Sainsbury e pagou US$ 16 bilhões por uma participação majoritária na empresa de comércio eletrônico da Índia Flipkart.

O Walmart está tentando alcançar os concorrentes que vão desde a supermercadista Aldi Inc até a Amazon.com Inc nos principais mercados internacionais. Os negócios internacionais de baixo desempenho do varejista representaram menos de um quarto da receita total de US$ 500,3 bilhões no ano fiscal de 2018. O Walmart vinha buscando compradores para o seu negócio no Brasil. A Reuters informou em janeiro que o Walmart estava oferecendo sua unidade no país para empresas de private equity como Advent e outras.

Em março, a Reuters informou que, no processo de due diligence, potenciais compradores estimaram que o Walmart deve até US$ 3 bilhões em impostos a governos estaduais no Brasil, potencialmente somando-se à pressão por um desconto na venda.

O Walmart entrou no Brasil em 1995 e cresceu para se tornar o terceiro maior varejista do país após duas aquisições em 2004 e 2005 e um período de rápida expansão de lojas que foi paralisado em 2013. Atualmente, a empresa opera 471 lojas no Brasil, segundo seu site local. A unidade brasileira da varejista reportou receitas de quase R$ 30 bilhões em 2016.

O Walmart reportou prejuízo operacional no Brasil por sete anos seguidos, após uma expansão agressiva de uma década deixar a empresa com locações fracas, operações ineficientes, problemas trabalhistas e preços não competitivos. Uma das pessoas com conhecimento do assunto disse que as operações do Walmart no Brasil não melhoraram ao longo dos últimos dois anos, o que coincidiu com a pior recessão do país em décadas. A transação está sujeita a aprovação regulatória e a varejista espera concluir o negócio ainda este ano. Uma parcela significativa do prejuízo líquido será devido a perdas com conversão cambial e o prejuízo final pode flutuar de forma significativa devido a mudanças em taxas de câmbio até a data de conclusão da operação, disse a empresa.

Você pode gostar...